terça-feira, 29 de julho de 2014

O seu a seu dono







Grupo de Forcados Amadores de Riachos

Passando o olhar por algumas páginas taurinas na Net, reparo que existe da parte de alguns cronistas diferentes opiniões para cada lide dos toureiros.
Diferentes opiniões, para entrada de público.
Diferentes opiniões, para o desempenho dos touros e mais um sem -número de situações.
É claro que a escala de valores porque cada um se rege não é a mesma da do outro.
Temos pareceres diferentes para a mesma situação e isso leva a debates, para que outros analisem o ponto de vista de cada um e se chegue a um consenso.
Vem isto a propósito de eu ter aberto algumas páginas taurinas onde li a reportagem da corrida realizada no dia 26-07-2014, na Vila de Riachos e que me dizem que o Grupo de Forcados de Riachos pegou três touros à primeira e um à segunda, (não foi assim).  
Não é por aí que vem o mal ao mundo, pois poderia muito bem acontecer, como poderia ter acontecido deixarem ir todos os touros vivos para os “curros”.
Segundo os entendidos há touros que não se pegam por causa do touro e outros por causa do Forcado, mas para mim não conta as vezes que o Forcado lá tem que ir, (aliás até conta) dou mais valor porque por vezes já combalido terá que se "esquecer da morte" para  lá voltar as vezes que forem necessárias e emendar o que falhou.   
Estes, os da Vila de Riachos, são rapazes, que na sua maioria só se fardaram pela primeira vez no ano de 2012, na sua terra Riachos, onde enfrentaram um curro de touros Murteira Grave, que não os intimidou e aí sim fizeram duas pegas à primeira tentativa e uma à segunda.
O cabo, Carlos Branco, sempre me tem convidado para assistir aos treinos, a poucos tenho faltado e tem dado para ver que existe uma grande entrega da parte de todos os elementos em reter os ensinamentos dos mais velhos para assim conseguirem aproveitarem as oportunidades que lhes possam surgir.
É com alguma mágoa que vejo tantos sacrifícios da parte destes rapazes, para tão poucas oportunidades.
Vila de Riachos, 26-07-2014, QUATRO TOUROS PEGADOS À PRIMEIRA TENTATIVA

1 comentário:

  1. Meu caro Amaral de Oliveira
    Aqui vai um extracto de um artigo intitulado “Ginástica”, do meu blogue “Partebilhas” e que pode estar relacionado com um comentário a este seu post:
    “A tauromaquia é – e pode ser sempre – vista com diversas sensibilidades, com mais ou menos conhecimentos taurinos.
    Esses conhecimentos não se adquirem em escolas e para tal não há diploma. São saberes e noções resultantes de conversas em tertúlias de aficionados, são um acumular de informações colhidas em livros, revistas e jornais. Portanto a tauromaquia é um somatório desses tais conhecimentos de interpretação de arte, mas não é uma ciência exacta. Nada que se assemelhe a matemática. Para um determinado interprete, a sua “tauromaquia” tem uma característica, um estilo, diferente de outro e de outro.
    Não obstante há regras e normas. Há ética. Há saber estar. Um saber estar senhoril.”
    http://canais.sol.pt/blogs/Partebilhas/default.aspx
    Cumprimentos

    ResponderEliminar